PhD: perda de tempo?

A revista The Economist discute por que fazer um doutorado é perda de tempo. Vale a pena conferir, especialmente quando observamos que os números da pós-graduação não param de crescer na Terra Brasilis.

Alguns pontos importantes:

(1) Nos países que compõem a OECD, entre 45% a 50% dos que obtêm um PhD estão em contratos de trabalho temporários.

(2) Nos EUA, formaram-se 100 mil novos doutores de 2005 a 2009, ao passo que o número de oferta de posições acadêmicas foi de 16 mil postos no mesmo período.

(3) Quem tem doutorado ganha algo como 3% a mais do que quem tem mestrado.