Edward Hopper

Olhando esta imagem de Edward Hopper, “Nighthawks”, tenho vontade de ir para a noite, ou, melhor dizendo, de poder sair à noite e sentir que não há perigo aparente me rondando. Pois ao ver esta imagem, fico com uma sensação gostosa, provavelmente resultado da percepção/ilusão de que as sombras não são amedrontadoras – pelo contrário, há certa felicidade no ar, mesmo, arrisco dizer, da pessoa que está de costas, dando a entender ser um bohêmio, um sonâmbulo ou “criatura da noite”, como induz o título da tela. Além do mais, ruas limpas, sensação de mundo em equilíbrio. Aparentemente, nada da balbúrdia do caos urbano para tirar cada personagem de seu mundo interior. Aliás, um mundo interior totalmente às mostras, como sugere a integração entre rua-café. Final de noite? Começo de noite? Enfim, eis aí uma tela realmente interessante para se ver e se contrastar com nossas deploráveis ruas e “criaturas” noturnas…